25 de abril de 2016

Cuidado com a língua



Como servas do Senhor, entendemos a necessidade de sermos cautelosas no nosso falar. Apesar de nós, mulheres, sermos afamadas como tagarelas, a mulher sábia está ciente de que é preciso ponderar as suas palavras, porque a Palavra de Deus, onde sua vida está centrada, nos orienta quanto a isso:

No muito falar não falta transgressão, mas o que modera os lábios é prudente.” (Pv 10:19)

 “O que guarda a boca conserva a sua alma, mas o que muito abre os lábios a si mesmo se arruína.” (Pv 13:3)

 “A língua é um pequeno órgão do corpo, mas se vangloria de grandes coisas. Vejam como um grande bosque é incendiado por uma simples fagulha. Assim também, a língua é um fogo; é um mundo de iniquidade. Colocada entre os membros do nosso corpo, contamina a pessoa por inteiro.” (Tg 3:5-6)

Embora esta seja uma área difícil de lidarmos, quando a negligenciamos, nos envolvemos em perigos. Conforme Tiago, assim como uma simples fagulha incendeia toda uma floresta, assim a língua, um pequeno órgão, pode trazer imensas consequências. E isso é verdade, porque grande é a dimensão que ela pode alcançar, quando não a domamos - pode arruinar vidas, destruir casamentos, romper amizades, frustrar planos, e deixar as nossas vidas amarguradas.  O que parece ser simples se alastra sobremaneira aos poucos. Precisamos ter cuidado no uso de nossa língua a fim de evitarmos más consequências.

Quem nunca se arrependeu de uma palavra dita fora de tempo? Como nos angustia saber que, depois de dita, não podemos mais apagá-la dos ouvidos presentes! Porque palavras são como flechas - depois de soltas não podem mais voltar atrás. O cuidado deve estar então, antes de pronunciá-las. Ao invés de falarmos o que vêm à nossa mente, é essencial pensarmos mais um pouco, em como vamos falar, e no que isso possivelmente irá produzir nas pessoas que nos ouvem, para que arrependimentos quanto a isso não ocorram.

Além das consequências desastrosas e da irreversibilidade das palavras, precisamos de cautela no nosso falar porque ele afeta a nossa relação com Deus, e não apenas a nossa relação com os homens. Há uma imensidão de pecados envolvidos nessa área e a Bíblia cita alguns: Murmuração, calúnia, difamação, contendas, mentira, arrogância, dentre vários outros, que podem interferir na nossa vida com Deus.

Quantas vezes não usamos nossas palavras a fim de obtermos os nossos desejos egoístas, e pecamos com isso? Somos capazes de ocultarmos uma verdade quando ela nos compromete, de lisonjearmos alguém para ter o que queremos, de sermos falsas diante das pessoas para não sermos malvistas por elas, de fofocarmos algo concernente às vidas alheias, somente porque desejamos, e de explodirmos em momentos de ira porque fomos provocadas.

Há algo em comum em todos estes pecados acima - eles têm a ver conosco, e conosco apenas! Pecamos quando a finalidade de nossas vidas está centrada em nosso eu, e não em Cristo. Centralizemos então somente a Ele como o Senhor de nosso coração e andemos em novidade de vida, porque Ele nos comprou por preço de sangue, a fim de vivermos para o louvor da Sua glória! Não somos mais como éramos antes, fomos transformadas, e toda a nossa vida deve condizer com o que somos nEle.

Usemos então a nossa língua não mais para maldizermos o próximo, mas para abençoá-lo. Podemos acrescentar muito à vida espiritual dos que nos ouvem, com palavras que os edificam, e que glorificam ao Senhor. Podemos contribuir muito para o crescimento uns dos outros, em santidade e em sabedoria diante de Deus, com o que falamos e com o que somos ante eles!

A mulher que é temente a Deus é descrita como a que possui “um espírito manso e tranquilo” (I Pe 3:4). Isto significa que ela é dócil, não briguenta nem imoderada, mas que sabe se conter, conservando-se sempre no temor do Senhor. Nisto está a sua verdadeira beleza, que não perece, e que é preciosa diante de Deus. Esta beleza interior faz com que ela ganhe o seu marido incrédulo, sem usar nem palavras, mas apenas com o seu procedimento.  (I Pe 3:1).

Podemos nos questionar: Como seremos assim? É muito difícil! Mas temos razão, nunca conseguiremos, se somente lutarmos com as nossas forças. Sozinhas não podemos! Por isso, que o Senhor Deus não apenas nos regenera, mas nos concede o Seu Espírito a fim de nos capacitar em nossa nova vida. É Ele quem desenvolve em nós o domínio próprio, e ao invés de sermos dominadas pela nossa língua, podemos agora a dominar!

Sujeitemo-nos, portanto, ao Senhor, dominando a nós mesmas com todos os nossos impulsos, nos enchendo do Espírito Santo, e pedindo sempre sabedoria a Ele sobre como usarmos a nossa língua. Fazendo isso não seremos perfeitas, mas evitaremos muitos erros e cresceremos em santidade diante dEle e diante dos homens.


Thayse Fernandes

4 comentários:

  1. Mais uma rica oportunidade de aprendermos juntas! As mulheres cada vez mais preocupadas em agradar e servir a Deus com excelência, afinal nós podemos contar com o apoio e direção do PAI para que possamos viver um comportamento digno de servas de Deus. Thayse fico muito feliz por você partilhar de palavras que acrescentam e enchem o coração de alegria. Abraços, graça e paz.

    ResponderExcluir
  2. Amém, Eva!

    Obrigada pelas palavras, nos alegramos bastante!

    Glórias a Deus por tudo isso! Que Ele continue nos ajudando a progredir Nele.

    Grande abraço!!!

    ResponderExcluir
  3. Fico muito feliz em aprender um pouco mas de Deus a cada dia. E voces sao bencaos em nos ensirnar.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá!

      Também ficamos felizes por sua edificação. Deus te abençoe. Forte abraço!

      Excluir