22 de fevereiro de 2016

E quanto ao dom de celibato?


Pode-se entender o dom de celibato como a capacidade concedida por Deus para uma pessoa viver solteira e pura sexualmente, sem a necessidade de um laço matrimonial. É verídico que nem todos se casarão, e há várias razões para isso. Uma dessas razões é o dom já mencionado, e é sobre ele que nos concentraremos no presente texto.

Sabemos que o casamento faz parte do propósito de Deus desde o início, e é algo sobremodo grandioso. Coube a Ele mesmo ver que não era bom que o homem estivesse só, de modo que lhe providenciou uma auxiliadora idônea. Porém, tem algo que é digno de ser mencionado aqui: Casar não torna uma pessoa melhor do que aquela que não casou! Diante de uma sociedade cujo padrão é a família, uma pessoa celibatária pode até se sentir menosprezada com a pressão lançada sobre ela por não se relacionar com alguém. Porém, precisamos entender que homens e mulheres de Deus permaneceram solteiros e nem por isso foram inferiorizados diante Dele, porque foi para isto que eles mesmos foram capacitados!

Há pessoas que Deus quer que sejam celibatárias a vida inteira, e Ele as capacita para viverem assim, de uma forma que traga uma maior glória ao Seu nome. Estas não necessitam de um cônjuge, pois são felizes e realizadas no estado de solteirice em que se encontram.

O famoso conselho de Paulo dado aos coríntios é que eles fossem tal como ele era, ou seja, solteiro. Ele queria poupar aqueles irmãos de preocupações a mais pelo o que já estavam enfrentando, eram dias de perseguição, e em um ambiente assim era melhor não casar, mas ainda assim ele disse que “caso, porém, não se dominem, que se casem; porque é melhor casar do que viver abrasado” (I Co 7:9). Em outras palavras, se não conseguirem viverem solteiros sem estar abrasados, que se casem. Nem todos estão aptos para viverem assim! Por isso, o celibato não deve ser uma imposição, mas uma abstinência voluntária por parte do individuo.

“Cada um tem o seu próprio dom da parte de Deus; um de um modo, outro de outro.” 
(I Co 7:7).

Se você consegue se identificar de alguma forma com este dom, entenda que:

1 – Ser solteiro tem seus benefícios
Vários são os benefícios em ser uma mulher solteira dedicada a Deus, como poder gozar de uma maior liberdade na Sua obra, com mais oportunidades de serví-Lo, sem as preocupações e responsabilidades que a vida de uma mulher casada traz. Pode usar seu tempo integralmente para o serviço a Deus, o que não seria possivel se estivesse casada, já que teria que usar seu tempo também no cuidado com o marido e os filhos.

2 – Tenha a motivação correta
A motivação em ser solteira deve ser para agradar mais ao Deus da sua vida. Digo isto porque pessoas podem muito bem desejar renunciar o casamento por não querer arcar com as responsabilidades que ele traz, por prezarem estimadamente a sua individualidade, e desta forma estão esquecendo que “nenhum de nós vive exclusivamente para si, e nenhum de nós morre apenas para si mesmo. Se vivemos, para o Senhor vivemos; e, se morremos, é para o Senhor que morremos.” (Rm 14:7-8).

3- Seja pura
A pureza é algo que deve fazer parte da vida de qualquer cristão, independentemente do estado civil, mas de certa forma há uma maior pressão sobre os solteiros, e principalmente diante do mundo em que vivemos, onde tudo gira em torno do romance e do sexo. Não permita que nada que macule o seu testemunho quanto a isso. (I Ts 4:1-7).

4 - O celibato não te torna mais santa
Assim como o casamento não é superior ao celibato, o celibato não é superior ao casamento - ambos precisam ser vividos para o louvor de Deus! Não é uma condição para atingir um nível mais alto no ministério, mas é um chamado de Deus para o ministério com dedicação exclusiva a Ele.

5 – Tens o nome melhor do que filhos e filhas
Me refiro a este versículo:

“Porque assim diz o SENHOR: Aos eunucos que guardam os meus sábados, escolhem aquilo que me agrada e abraçam a minha aliança, darei na minha casa e dentro dos meus muros, um memorial e um nome melhor do que filhos e filhas; um nome eterno darei a cada um deles, que nunca se apagará.” (Is 56:4-5).

Sobre isto John Piper diz:

“Deus promete abençoar eunucos obedientes com bênçãos que são melhores que filhos e filhas. Em outras palavras, Deus promete àqueles entre vocês que permanecem solteiros em Cristo, bênçãos que são melhores do que as bênçãos do casamento e filhos.”¹
Grande é a importância do dom de celibato! Discorremos um pouco sobre ele, entendendo que este dom é concedido por Deus com propósitos, e que por ser um dom é algo específico para alguns. Os pontos destacados acima servem para um entendimento mais claro e objetivo, tanto para aquelas que se identificam com esse dom, como para as que desejam saber a acerca dele. Que vocês, moças e mulheres, que foram chamadas para viverem esse dom, que vivam-no mostrando a beleza e a glória de Deus nesse chamado. Vocês não terão filhos nascidos de seus ventres, mas poderão ser mães de multidões, não serão esposas, mas poderão ajudar grandemente os filhos de Deus no serviço em amor, pureza e humildade. Glórias a Deus por Sua sabedoria e Seu plano perfeito para cada uma de nós.
Que Deus as abençoe em Cristo!
Thayse Fernandes

¹ Extraído do sermão de John Piper: Solteiro em Cristo: Um nome melhor que filhos e filhas. Disponível em: http://www.desiringgod.org/messages/single-in-christ-a-name-better-than-sons-and-daughters?lang=pt.

3 comentários:

  1. *-* Muito bom! Esclarecedor. Gostei muito do link na referência.
    Há algum tempo estava procurando uma exposição bíblica sobre o dom do celibato, feminino, em especial.
    O que me deixa um pouco pensativa é a questão do propósito pelo qual a mulher fora criada, o que parece entrar em conflito com o dom do celibato. O que vocês acham?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Débora!

      O propósito para o qual homem e mulher foram criados é a manifestação da glória de Deus. Na ocasião da criação o casamento foi instituído como norma geral para, entre outras coisas, a propagação da raça humana, no entanto, o casamento não é uma realidade eterna, mas temporária, ele aponta para o relacionamento eterno de Cristo com Seu povo, a igreja, no estado eterno quando não existirá mais casamento, conforme disse Jesus em: Lc. 20.35; Mt. 22.30; Mc. 12.25

      Deus te abençoe. Um abraço!

      Excluir
    2. Muito bom. Obrigada pelo comentário. :)

      Deus continue abençoando vocês!

      Abraço.

      Excluir